RESULTADOS SAFRA 2018/19
Após avaliações em campo e revisão da base da dados, Rally da Safra 2019 confirma safra de soja 3,3% menor
28/mar/2019

Organizadora da expedição, Agroconsult estima produção de 118 milhões de toneladas

 

São Paulo, 28/03/2019 – O Brasil registrou uma safra de extremos, com diferenças acentuadas entre as regiões com plantio precoce – afetadas severamente pela variação climática – e aquelas com plantio mais tardio, que apresentaram melhores resultados. A Agroconsult, que organiza o Rally da Safra, estima em 118 milhões de toneladas a safra de soja 2018/19, volume 3,3% inferior ao ciclo anterior.

“Esta safra começou com plantio muito bem executado, em condições adequadas para implantação e em prazo recorde. Mas depois o clima impactou diretamente algumas lavouras mais precoces”, explica o coordenador geral do Rally da Safra, André Pessôa, sócio diretor da Agroconsult, organizadora da expedição.

Eduardo Sampaio Marques, Secretário Nacional de Política Agrícola; Christian Meyer Pflug, Líder Comercial de Enlist para a Corteva no Brasil; Ronaldo Pereira, vice-presidente da FMC; André Pessôa, coordenador geral do Rally da Safra; Igor Figueiredo, Gerente Geral de Agricultura da VLI; Rodrigo Lombardi, Gerente de Comerciais Leves da Volkswagen e Carlos Aguiar, diretor de Agronegócios do Santander. Foto: Lucas Ninno/Rally da Safra.

 

 

De forma geral, essa foi a dinâmica da safra: algumas regiões apresentaram excesso de chuvas e dias nublados em novembro, seguidos de período de forte elevação da temperatura e escassez de chuvas em dezembro e parte de janeiro. Essa variação fez com que as lavouras de ciclo precoce plantadas na segunda quinzena de setembro e primeira quinzena de outubro, tivessem seu potencial produtivo reduzido.

A seca em dezembro e janeiro se refletiu em dois aspectos importantes: o encurtamento do ciclo das culturas e a redução do peso médio de grãos, impactando lavouras no sul do Mato Grosso do Sul, Oeste do Paraná, Sul de Goiás e São Paulo. Já as regiões de implantação de lavouras mais tardias não tiveram maiores dificuldades com clima, garantindo melhor desempenho, como os Estados do Nordeste, além de Santa Catarina e Rio Grande do Sul – que vai colher a melhor safra da sua história. O desempenho também foi satisfatório no MATOPIBA, mesmo sendo inferior ao do ano passado. “São as regiões que visitamos por último e apresentaram situação melhor que esperávamos”, complementa.

Em campo, os técnicos do Rally da Safra 2019 observaram aumento no número de plantas por hectare, como reflexo da ótima implantação das lavouras. “Embora os grãos tivessem menos peso, os números de plantas e de grãos foram maiores, ajudando a atenuar as perdas, de maneira geral”, comenta. Outro aspecto generalizado, detectado pelas equipes nos últimos anos, manteve-se nesta safra: o investimento em melhoria de perfil de solo e do manejo da palhada no plantio direto. Houve ainda um bom manejo de pragas e doenças, garantindo melhor controle em lavouras e evitando maiores perdas.

A Agroconsult fez uma revisão completa dos números de produção e produtividade desde a safra 2014/15. Dados oficiais apontaram um volume de 83,4 milhões de toneladas referentes à exportação de soja no ano passado, mostrando inconsistência no balanço de oferta e demanda. Diante disso, os técnicos da Agroconsult revisaram a base estatística pelo lado da oferta.

“Tínhamos evidência dos rallies anteriores que os números poderiam ter sido maiores, especialmente os de 2016 e 2018. Revisamos então os critérios metodológicos e, usando os mesmos dados de campo coletados no Rally, elevamos os números de todas as safras a partir de 2014/15. Com isso, temos uma produção acumulada de 7,5 milhões de toneladas a mais do que indicavam os números oficiais” esclarece.

Com esse quadro, a produtividade da safra 2018/19 será menor que a safra passada, atingindo 54,6 sacos por hectare,  contra uma média revisada de 57,9 sacos por hectare em 2017/18. A área plantada antes estimada em 36,2 milhões de hectares, agora está em 36,04 milhões de hectares. “Com isso, nossa projeção atinge 118 milhões de toneladas, contra os dados pré Rally de 117,3 milhões de toneladas (de janeiro) e os do ano passado, já revisados, de 122 milhões de toneladas.

André Pessôa, sócio diretor da Agroconsult. Foto: Lucas Ninno/Rally da Safra.

 

Equipes em campo

Nesta 16ª edição do Rally são 12 equipes em campo, das quais nove avaliaram as lavouras de soja até o mês de março. Outras três irão a campo entre maio e junho para verificar as áreas de milho segunda safra. O levantamento acontece nos 14 estados produtores: Mato Grosso, Paraná, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Bahia, Maranhão, Piauí, Tocantins, Rondônia e Pará.

Na primeira etapa da expedição foram avaliadas 1.315 lavouras (no ano passado foram 1.100) e percorridos 81 mil quilômetros. Cinco eventos regionais e 27 encontros com produtores para debater as condições da safra brasileira ocorreram no período. A expedição estima percorrer mais de 100 mil quilômetros neste ano.

Os trabalhos em campo começaram com a Equipe 1 no dia 14 de janeiro em Sinop/MT. A Equipe 2 visitou as regiões Norte e Oeste do Paraná entre 21 e 23 de janeiro. Depois seguiu para o Mato Grosso do Sul cobrindo toda a região Sul até chegar em Campo Grande/MS, finalizando esta etapa no dia 26 de janeiro.

A Equipe 3 esteve em Goiás para fazer o levantamento no Sudoeste do Estado. A mesma equipe retornou para o Mato Grosso nos dias 31 de janeiro, 01 e 02 de fevereiro para analisar as lavouras na região Sudeste do Estado.

Os técnicos da Equipe 4 retornaram ao Mato Grosso entre os dias 04 e 08 de fevereiro. Os técnicos visitaram as regiões do Médio-Norte (Nova Mutum, Lucas do Rio Verde e Sorriso) e Oeste (Campo Novo do Parecis, Sapezal),  avaliando as lavouras de ciclo médio/tardio e finalizaram essa etapa em Rondônia.

Entre os dias 11 e 14 de fevereiro, a Equipe 5 esteve no Nordeste do Mato Grosso, finalizando o levantamento de soja no Estado e seguindo até o Pará.

A Equipe 6 esteve em São Paulo entre os dias 17 e 19 de fevereiro e nos dias 20 e 21 no Paraná.

O Tocantins recebeu a Equipe 7 nos dias 23 e 24 de fevereiro. Entre 25 e 28 de fevereiro, os técnicos avaliaram as lavouras em Minas Gerais e Goiás.

A Equipe 8 avaliou lavouras de soja no Nordeste e Norte do Brasil nas regiões do Oeste da Bahia, Sul do Piauí, Maranhão e Tocantins entre os dias 11 e 16 de março. Por último, a Equipe 9 visitou áreas na região Sul entre os dias 18 e 23 de março.

Nesta edição, outras três equipes avaliarão o milho segunda safra entre os dias 06 de maio e 07 de junho no Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul e Paraná.

Organizado pela Agroconsult, o Rally da Safra 2019 chega à 16ª edição com patrocínio do Banco Santander, FMC, Corteva Agriscience, OCP, VLI, Amarok / Volkswagen,  com apoio da FIESP, Fundação Agrisus e WebMotors.

 

O trabalho das equipes e o roteiro completo da expedição poderão ser acompanhados pelo site www.rallydasafra.com.br, com informações atualizadas diariamente no www.twitter.com/RallydaSafra e www.facebook.com.br/RallydaSafra

 

Informações à Imprensa:

Ana Carolina Silveira e Angela Gusikuda

Carol Silveira Assessoria de Comunicação

carol@carolsilveira.com.br

19 3305 2887 / 9 9791 8261

TODOS
NOTÍCIAS
DIÁRIO
PATROCINADORES:
APOIADORES: